Petites Vaidades: Sobre feminismo e cotas em universidades

Sobre feminismo e cotas em universidades



Um dia conversando com meu pai ele me disse que eu tinha que parar de tomar o partido de negros. Entendam, meu pai é neto de uma negra escrava, não é racista de forma alguma, tinha um black power incrível quando jovem, pra mim ele é referência de inteligência e honestidade. Por isso me surpreendi com a repreensão dele. Mas depois entendi tudo, é cuidado, meu pai tem medo que eu compre um briga maior que eu, que seja criticada, que seja diminuída, de ser a branquela que não tem nada a ver com isso, nem sabe dos sofrimentos que os negros passam. Eu, Sarah, 25 anos, arquiteta, branca. Pense então agora na Maria que trabalha em uma fábrica de costura, que tem dois filhos para cuidar, que não terminou o ensino médio, negra. A Maria chega e casa cansada, faz o jantar, coloca os filhos na cama e liga a televisão. Um novo programa foi ao ar ontem mas ela não sabia. Quando vê a chamada do programa se surpreende, "O sexo e as nêga". Escrito ou dirigido (não tenho certeza) por um branco com uma carreira de sucesso, que já teve envolvimento em escândalos, mas nada demais, o público esquece, perdoa.

E então eu vejo outra global criticando o bolsa família, ou o sistema de cotas em Universidades. E me vejo lá atrás, quando eu estudava em escola particular e alguns professores pregavam que realmente, as cotas eram uma injustiça e blá blá blá. Hoje tenho minha própria opinião. Acho que os negros tem sim que ter alguma vantagem hoje em dia, eles sofreram um atraso tão grande, sendo impedidos de estudar, votar, comer dignamente, ter um emprego. Se enganam as pessoa que acham que isso mudou. Eles ainda estão vivendo esse atraso, na pele, literalmente!

Então não Rede Globo, não Miguelito, por favor, só parem! Eu me sinto ofendida por ter um programa desse tipo na televisão aberta. Eu pego as dores de todas as mulheres negras que estudam, que são juízas, que são professoras, médicas, jornalistas, donas de casa, diaristas, babás, mães. Sexo é ótimo, é maravilhoso, mas não é a única coisa boa no mundo. Inovem, usem a criatividade, vocês são artistas, trabalham com criação, idéias. Só parem!

{Me desculpem pelo desabafo, mas precisava dividir a minha opinião, mesmo ela não sendo a mais importante, a mais erudita, a mais inteligente, mas ainda assim é a opinião de uma mulher insatisfeita com o tratamento dado a nós, mulheres do dia a dia, mulheres normais.}



3 comentários:

  1. É pura verdade o que você falou! *__*
    http://divandoestilo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Concordo, Sarah! E, da mesma forma, quando vi o anúncio deste programa na TV ("O Sexo e as Nêga"), passou um filme na minha cabeça, assim como você descreveu em seu "desabafo". Fico feliz por ler este seu post, pois, às vezes, me pego meio que "aborrecida" com tantas ideias de "ex-senhores de engenhos" que leio e vejo por aí. Independente de sermos brancos, negros e independente da nossa classe social, este olhar sobre a realidade do nosso país e do mundo tem muito a ver com a nossa consciência interior. Obrigada por expressar as suas ideias aqui. Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Sarah. Sempre leio seu blog, mas nunca comentei. Dessa vez não posso deixar de expressar minha opinião em relação a esse assunto. Sou parda, fruto de uma mistura linda de raças (bisavó índia, bisavô português e negros), e fiquei totalmente indignada quando soube dessa série. Pra mim só veio reforçar a imagem preconceituosa de que negros são promíscuos. Os afrodescendentes tem muito mais a oferecer do que apenas peitos, bundas, sexo e pegação. Parabéns pelo excelente texto. Bom seria se mais pessoas tivessem um olhar crítico em relação a mídia. Beijos de uma nega.

    ResponderExcluir

/